sábado, 15 de março de 2014

Márcio Macêdo faz pronunciamento sobre a Campanha da Fraternidade

Em homenagem aos 50 anos da Campanha da Fraternidade no Brasil, o deputado federal Márcio Macêdo (PT) fez um pronunciamento, na Câmara, nesta semana, destacando o tema deste ano, que é o tráfico humano. “Este assunto nos leva a refletir, mais uma vez, sobre a dignidade da pessoa humana. A Campanha da Fraternidade é um convite para nos convertermos a Deus e irmos ao encontro dos irmãos mais necessitados e sofredores”, afirmou. A campanha é uma iniciativa da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). 

“A Campanha da Fraternidade 2014 lançada oficialmente na quarta-feira de cinzas volta-se para todos aqueles e aquelas que são enganados e usados para o tráfico humano, de trabalho, de órgãos e prostituição. Normalmente o crime organizado está por detrás das diversas modalidades de tráfico humano. As pessoas, geralmente, são atraídas com falsas promessas de melhores condições de vida em outras cidades ou países e ali são cruelmente usadas e escravizadas, gerando fortunas para pessoas inescrupulosas e vorazes. A maioria das pessoas traficadas vive em situação de pobreza e grande vulnerabilidade. Isso facilita o aliciamento com falsas promessas de uma vida melhor”, explicou.

O deputado ressaltou que “os cristãos não podem aceitar essa moderna forma de escravidão e desrespeito à dignidade humana” e citou a mensagem encaminhada aos fiéis brasileiros pelo Papa Francisco. “Não é possível ficar impassível sabendo que existem seres humanos tratados como mercadoria!.  Pense-se em adoções de criança para remoção de órgãos, em mulheres enganadas e obrigada a se prostituir, em trabalhadores explorados, sem direitos nem voz, etc. Isso é tráfico humano. O tráfico de pessoas é uma atividade desprezível, uma vergonha para as nossas sociedades que se dizem civilizadas”, diz a mensagem do Santo Pontífice, destacada por Márcio Macêdo.

TRÁFICO HUMANO

O parlamentar apontou que, anualmente, 2,5 milhões de pessoas são traficadas no mundo e essa atividade criminosa movimenta 32 milhões de dólares. Com base em uma pesquisa inédita realizada pelo Ministério da Justiça em parceria com o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes e o Centro Internacional de Desenvolvimento de Políticas de Migração, Márcio Macêdo alertou que há grande incidência de tráfico de pessoas para fins de trabalho escravo no Rio Grande do Sul, Paraná, Pará, Amazonas, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul e para fins de exploração sexual no Amapá, Pará, Roraima, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

“Contudo, isso não significa que não exista tráfico humano nos demais Estados brasileiros, pois novas modalidades que até então não tinham sido mencionadas na pesquisas sobre o tráfico de pessoas no Brasil foram identificadas, como a exploração da mendicância e da servidão doméstica de crianças e adolescentes, meninas "adotivas", pessoas usadas como "mulas" para o transporte de substâncias ilícitas entorpecentes e adolescentes traficados para exploração em clubes de futebol”, afirmou.

CAMPANHA EM SERGIPE

Sobre a Campanha da Fraternidade em Sergipe, Márcio Macêdo destacou o trabalho do arcebispo Dom José Palmeira Lessa, do bispo auxiliar Dom Henrique Soares da Rocha e do bispo Dom Mário Sivieri, além do envolvimento direto de todas as paróquias do Estado. “Tenho a certeza de que teremos mais uma campanha onde toda a sociedade sergipana, estará envolvida”, disse. 

CONGRESSO NACIONAL

Por fim, Márcio voltou seu pronunciamento para os colegas parlamentares. “Quero lembrar que nós podemos atender o apelo da Campanha da Fraternidade, e para isso o Congresso precisa aprovar a lei que instituirá, por etapas, a Renda Básica de Cidadania, que poderia ter enorme efeito sobre esses problemas aqui descritos. Mas precisamente o Senado precisar a aprovar, pois a Câmara já aprovou. Temos a certeza que com o Renda Básica de Cidadania o grau de dignidade e liberdade a todos elevará. Temos que unir força e buscar soluções para resolver o problema”, afirmou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário