segunda-feira, 31 de março de 2014

14 deputados pedem votação do empréstimo para a Saúde

Por MAX AUGUSTO


Na última sexta-feira, 14 dos 24 deputados estaduais assinaram um requerimento de bancada solicitando à presidente da Assembleia Legislativa de Sergipe, Angélica Guimarães (PSC), que faça a leitura do Proredes – programa do Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD) que garantirá um empréstimo de R$ 250 milhões para investimentos na área da Saúde. Para que o estado possa ter acesso ao crédito, os deputados precisam aprovar o projeto até o próximo dia 11 de abril. O líder do governo na Assembleia, Francisco Gualberto (PT), responsabilizou o senador Eduardo Amorim (PSC) pelo atraso na votação.


Até mesmo deputados da oposição assinaram o texto. Gualberto pretende apresentar nesta segunda-feira o documento assinado pelos parlamentares. Ele lembra que o projeto foi enviado pelo Governo em agosto de 2013, mas até agora não está tramitando, porque não foi lido pela presidência da casa.


“Existe um requerimento de bancada, que está assinado por 14 deputados, solicitando a tramitação do projeto Proredes. Vamos encaminhar essas assinaturas à presidente da Assembleia Legislativa, temos até assinaturas de deputados que são oposição ao governo, devido à importância dele. Alguns deputados fazem discursos sobre os problemas da saúde, mas quando o governador busca recursos para melhorar a situação, alguns não votam num projeto deste”, falou Gualberto.


Sobre a atuação de Eduardo Amorim, ele avaliou: “Todo mundo sabe que são os liderados de Amorim que estão criando dificuldades. A presidente da Casa é do partido de Amorim e a bancada de oposição, que é maioria na casa, é liderada por Amorim. Por isso é preciso que o senador tenha a sensibilidade de orientar os seus comandados, mostrando que o próximo governo é que vai utilizar os recursos”, falou Gualberto.


Proredes

O líder do governo explica que o empréstimo não pode ser considerado uma ação eleitoral, ao contrário do que alguns oposicionistas afirmam, até porque os recursos só começarão a ser utilizados em 2015 – ou seja, não se sabe quem estará administrando o estado. Os recursos serão aplicados entre 2015 e 2019, na criação de uma rede de atendimentos a pessoas com deficiência; rede especial de atendimento a hipertensos; tratamento específico para diabéticos e modernização dos hospitais e maternidades do estado.


Gualberto explicou ainda que o programa leva recursos a cidades do mundo inteiro e que o governo não terá acesso aos recursos de uma só vez: ao final de cada projeto, é feita a prestação de contas, e só então o dinheiro para a fase seguinte é liberado.


O deputado petista diz que espera uma resposta positiva da presidente da Assembleia, para que o projeto possa tramitar de acordo com a orientação do BIRD – segundo Gualberto o banco enviou documento para o governo do Estado, reclamando do atraso da autorização e alertando para o prazo eleitoral. Tudo tem que ser aprovado até o dia 11.


Questionado pelo JORNAL DA CIDADE / BLOG DO MAX se haveria tempo de aprovar o texto em apenas onze dias (é necessário passar pelas comissões e três votações em plenário), Gualberto diz que por isso mesmo é necessário celeridade, e garantiu: Se a presidente da casa desejar, se o senador Amorim orientar a presidente da casa, e o projeto for lido na segunda, creio que haverá tempo. Depende da decisão polítca do senador e do seu grupo”, concluiu Francisco Gualberto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário