quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

“O primeiro ano foi de arrumação da casa”


Max Augusto/Jornal da Cidade

 
Na primeira entrevista do ano o JORNAL DA CIDADE conversou com o prefeito de Aracaju, João Alves Filho (DEM). João afirmou que sua administração conseguiu pagar cerca de R$ 100 milhões, dos R$ 150 milhões que ele afirma ter encontrado em dívidas. Ele considera que o primeiro ano da sua gestão foi de arrumação, mas avalia que já conseguiu melhorias importantes, como a desativação do lixão. Segundo o prefeito, ainda não é possível dizer que as expectativas dos seus eleitores tenham sido atendidas, mas ele tem dado continuidade às obras que encontrou e tem também iniciado várias outras ações. João diz que tem se reunido por várias vezes com o governador Jackson Barreto (PMDB), mas a pauta tem sido apenas as obras em Aracajum como no Bairro Santa Maria parceria da Deso e Emurb – mas sobre política, ele é direto: Só em 2014.

 
Max Augusto- Como o senhor avalia esse seu primeiro ano de governo em Aracaju?



João Alves Filho – Estou certo de que tenho o destino de aceitar desafios e não desisto deles. Administrar Aracaju tem sido um desafio que venho superando a cada dia. E o meu primeiro ano de governo pode ser definido como uma arrumação de casa e planejamento para melhorias em nossa cidade. Houve um enorme esforço para liquidar a dívida de R$ 150 milhões, dos quais R$ 100 milhões já foram pagos. Pudemos também contabilizar grandes vitórias como a desativação do lixão, com o trabalho excepcional da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, e uma luta para dar dignidade aos catadores, o que foi um valoroso passo em prol do meio ambiente, Aracaju há muito precisava. Além disso, os vários avanços na Secretaria de Educação, desde o empenho para que crianças aos seis anos sejam alfabetizadas, além da doação de tablets aos professores, o pagamento do Piso Salarial na integralidade e um 14º salário aos diretores de escolas, todas essas medidas para avançarmos no Índice de Desenvolvimento Básico da Educação, que Aracaju tinha um dos menores. Temos que destacar também que conseguimos manter nossos compromissos relativamente em dia. Demos continuidade a muitas obras, iniciamos outras. Os servidores municipais receberam um aumento de 5%, devido as nossas limitações, queria dar mais, mas não havia como. Mas em contrapartida conseguimos atender a maioria das solicitações dos servidores, estamos elaborando a atualização do Estatuto do Servidor. E não podemos esquecer que muitos municípios brasileiros não puderam nem chegar a esse índice de reajuste. Em contrapartida implantamos a Comissão Permanente de Negociação para discutir e tentar melhorar a situação dos servidores municipais e estamos quitando uma dívida de R$ 6 milhões, cuja primeira parcela já foi paga. Então de uma forma geral, com muito esforço, estamos deixando a Prefeitura de Aracaju equilibrada. Um ano de muito trabalho, que colheremos os frutos daqui em diante.
 
 

MA - O senhor acha que a sua gestão, neste primeiro momento, atendeu às expectativas da população?
 
 

JAF – A expectativa da população era muito grande, pelos problemas e dificuldades que a cidade passava. Mas não sou de ficar olhando no retrovisor. Nem a população me elegeu para ficar chorando pelo que não foi feito. Fomos à luta nesse primeiro ano. Não posso dizer todas as expectativas foram atendidas, mas muitas foram e serão muito mais, pelos projetos a serem executados.
 
 

MA - A oposição tem dito que até o momento o único feito do senhor da prefeitura foi ter dado continuidade às obras iniciadas por Edvaldo Nogueira. Isso é verdade?
 
 

JAF- Verdade não é. Eu respeito muito a oposição e acredito na oposição construtiva, pois ela não pode somente desdenhar ou querer desfazer, ou ainda denegrir o que está sendo feito e planejado. Agora, é claro que vou dar continuidade as obras do meu antecessor, porque o governo é impessoal. Independentemente das dezenas de obras que encontrei estarem paralisadas ou não, é o meu dever de gestor público continuar, porque a obra não é de A, B, C ou D, a obra é do povo, trabalhamos para melhorar a vida de cada aracajuano. Isso fiz e continuarei fazendo.
 
 

MA - E falando nisso, quem iniciou as obras do viaduto/mergulhão? O senhor ou Edvaldo Nogueira?
 
 

JAF- Olhe, veja bem, logo que assumi a prefeitura, um dos meus primeiros atos foi saber detalhadamente sobre a obra do mergulhão. Porque essa é uma obra extremamente importante para a mobilidade urbana. Bem, assim fui informado pela Celi que existiam erros no projeto, erros estes que comprometeriam inclusive a estrutura. Dessa forma, solicitei as modificações necessárias e sem colocar em risco a estrutura do viaduto. Assim o projeto do popularmente conhecido ‘mergulhão' foi planejado na gestão do antigo prefeito e contratada com previsão de conclusão em 14 meses, mas de fato iniciou em janeiro de 2013 por conter diversos erros de elaboração. E quem diz isso não sou eu não, quem diz isso é o empreiteiro, Luciano Barreto da Construtora Celi.
 
 

MA - Como está a parceria da Prefeitura com o governo do estado? Já existe algo realmente funcionando ou no momento trata-se apenas de conversas?
 
 

JAF- Tenho me reunido com o Governador Jackson Barreto por várias vezes para adequarmos muitos pontos em prol das obras de Aracaju. Primeiro em relação às obras do Bairro Santa Maria entre a Deso e a Emurb, depois sobre as obras do Proinvest para a capital, sobre o consórcio do transporte público intermunicipal para a região metropolitana, a construção da Avenida JK, entre muitos outros assuntos administrativos.
 
 

MA - A parceria administrativa com o governador Jackson Barreto abre precedente para um diálogo político?
 
 

JAF- Dialogamos muito, mas sobre ações de parcerias entre Estado e capital, não sobre eleições.
 
 

MA - Quando e com quem o senhor pretende conversar sobre eleições 2014?
 
 

JAF- Agora não é hora de falar sobre eleições. Agora é hora de trabalhar. No momento certo e oportuno conversaremos sobre as eleições de 2014. Não estou pensando em eleições, estou pensando em trabalhar para os aracajuanos.
 
 

MA- Divulgamos essa semana a paralisação do programa Rodando no Macio. Não há mesmo possibilidade de dar continuidade a ele?
 
 

JAF- Iniciamos o programa Rodando no Macio em Julho de 2013, mas devido a quantidade de chuvas, os buracos nas vias foram aumentando e não temos como suprir no momento todo o recapeamento. Tivemos que fazer uma operação de emergência com o tapa buraco, para somente depois retomarmos as ações do Rodando no Macio.
 
 

MA - A Obra de contenção do rio na 13 de julho envolve uma disputa técnica, judicial ou política? Ela é mesmo necessária?
 
 

JAF - Para mim a 13 de julho nunca representou uma disputa. A intervenção na 13 de julho representa uma obrigação para proteger a população dos diversos riscos que já foram ditos através de estudos e fotos. Tanto é que O presidente do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5), o desembargador Francisco Wildo Lacerda Dantas notificou oficialmente a Prefeitura de Aracaju na última segunda-feira, 30, comunicando da decisão que autoriza o município a realizar a retomada das obras na localidade, o que ocorreu no mesmo dia. 
 
 

MA - Quando estarão em funcionamento os novos pontos de ônibus, já licitados?
 
 

JAF - A primeira licitação já ocorreu em novembro, foi homologada em dezembro, e no final de janeiro provavelmente estaremos iniciando o processo de implantação dos abrigos de ônibus. Depois daremos início a fase de licitação para concessão que permite que uma determinada empresa possa explorar a publicidade e realizar a manutenção devida.  Todos os abrigos de ônibus são fechados, vão ter itinerário, ou seja, a explicação de para onde a linha vai, além de iluminação e identificação do ponto de ônibus,  bem como o horário exato que o ônibus passará.
 
 

MA - Os novos sistemas de parquímetro e fiscalização eletrônica entram em atividade quando?
 
 

JAF - Será realizado em janeiro um pregão eletrônico para a Fiscalização eletrônica. E, se tudo ocorrer devidamente bem, sem impugnações, que são naturais de todo processo, provavelmente ao final do mês de janeiro já começamos a fazer os primeiros testes. Mas ainda terá que ter a validação do Inmetro. Entretanto, para quem não respeitar o limite de velocidade, as multas poderão ser aplicadas a partir de março de 2014. Já os Parquímetros, tem publicação de concorrência Pública prevista para início de janeiro. O planejamento é que o processo ocorra dentro do prazo de 30 dias, assim esperamos que a partir de março o Parquímetro já esteja funcionando. Além do Parquímetro, haverá também o estacionamento rotativo nos bairros Centro, Siqueira Campos, São José. O pagamento será feito em postos de venda ou através de smartphones, tudo eletronicamente, não existirá o papel, o ticket que antes havia, o agente fiscalizador através de um aparelho com o sistema vai identificar através da placa se o motorista executou o pagamento para permanecer no estacionamento e se o veículo está ocupando a vaga dentro do tempo contratado. A distância máxima de cada ponto de venda do rotativo chega a 80 m da vaga a um ponto de venda. Os veículos que farão carga e descarga e as motos que antes não estavam contempladas neste tipo de estacionamento, agora irão fazer parte. O tempo máximo de permanência em cada vaga do rotativo é até duas horas.
 
 

MA - No seu primeiro ano de governo o senhor reajustou a passagem do ônibus, criou taxas de iluminação e ambiental, vai reinstalar parquímetros, fiscalização eletrônica... Não teme que essas medidas impopulares gerem uma desaprovação ao seu nome?
 
 

JAF- No início do ano enfrentei grandes problemas com a questão do transporte público. O problema com a empresa VCA, mas os aracajuanos não podiam ficar a mercê de um transporte coletivo de má qualidade. Junto com a Secretária Georlize Oliveira, conseguimos contornar toda a situação, com muita coragem e dignidade. Retiramos os ônibus e antes de fecharmos o ano a população aracajuana já pode usufruir de 210 ônibus novos e seminovos, com tecnologia e sistema de segurança. Mas não me conformei somente com estes não, quero que Aracaju seja uma das capitais com a frota de ônibus mais nova do país. Para isso nos primeiros meses deste novo ano que se inicia vamos entregar mais ônibus novos. Então, no início houve um desgaste, mas a população hoje sabe que foi a melhor coisa que fizemos. Com relação a taxa de iluminação pública, será uma obrigação dos municípios a partir de janeiro de 2014,ou seja, todas as prefeituras municipais serão responsáveis pela manutenção, conservação e conserto da iluminação pública. Então como podemos arcar com todas essas despesas, já que não possuímos condições financeiras, porque antes a responsabilidade era da Energisa. Mas a maior parte da população não pagará a taxa, apenas uma parcela, a que consome mais energia, arcará com essa despesa. E esse dinheiro da taxa será aplicado na manutenção da iluminação pública. O licenciamento ambiental através da Secretaria Municipal do Meio Ambiente era uma coisa necessária, já que criamos a Secretaria e antes só quem podia emitir a licença no Estado era a Adema, isso agilizará os processos ambientais na capital, já que a Adema ficava responsável pela liberação ou não em todo o Estado, agora o município de Aracaju é responsável por sua área.



MA - E os parquímetros?



JAF - Os parquímetros são um desejo dos comerciantes, o presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas, em várias entrevistas na imprensa já deixou claro, porque hoje é praticamente impossível estacionar no centro, pois uma pessoa pode parar o carro na vaga e passar o dia todo. E, com o Parquímetro para isso acontecer ele terá que pagar pelo dia, o que gera um obstáculo e passará a ter rotatividade maior. A fiscalização eletrônica é um mal necessário, visto que os motoristas irresponsáveis não respeitam o limite de velocidade, geram acidentes e mortes. Neste mês de dezembro teve fins de semana com mais de 10 mortes. A população pede pela fiscalização eletrônica, porque é mais um obstáculo para que os motoristas imprudentes pensem antes de cometer uma infração, um crime ou tirar vidas de pessoas inocentes.



MA - Até mesmo seus aliados (e o vice-prefeito) dizem que não houve melhorias na Saúde em 2013. Qual é o planejamento para 2014?
 
 

JAF- Não é fácil administrar uma secretaria que chega carregada de um débito de R$ 62 milhões, é preciso muito esforço para contornar situações. Mas tivemos melhorias sim, durante 2013 foram poucas as reclamações de falta de medicamentos nos postos de saúde, conseguimos regularizar grande parte, reformamos unidades, estamos construindo outras, ampliamos parcerias. Mas o trabalho não para, vamos manter os avanços em determinadas áreas da saúde que conseguimos e trabalhar mais benefícios e menos sofrimento para os usuários da saúde pública municipal em 2014.



MA - E o BRT, alguma perspectiva? Quando ele entrará em funcionamento?
 
 

JAF- Perspectiva existe. Mas data exata, não posso adiantar. Porque tivemos uma demora brutal nos estudos para implantação do BRT. Com o problema no início do ano no transporte público e a retirada da VCA, atrasou a contagem dos ônibus porque o sistema estava todo irregular, no que se refere a lotação, e até o mês de novembro estávamos com menos 150 ônibus, depois do mês de novembro regularizamos a situação e pudemos fazer o levantamento correto da contagem dos usuários e linhas do transporte coletivo da capital. Então, a partir daí traçou-se uma nova configuração que está sendo estudada. Em contrapartida entre final de janeiro e início de fevereiro, Aracaju terá o sistema de Bicicleta Pública, no mesmo molde do que funciona no Rio de Janeiro, isto é, o bikeshare – a bicicleta compartilhada, com estações da Orla de Atalaia até o centro da cidade, serão inicialmente 20 estações, que ficarão próximas aos terminais de ônibus, para dar mais mobilidade e facilitar a locomoção. O aluguel destas bicicletas será por meio eletrônico, do mesmo molde como ocorre no Rio de janeiro. O estudo foi feito e está baseado para gerar a locomoção das pessoas, de uma forma mais rápida e sem congestionamentos e compartilhando mesmo, porque de um ponto a outro, a pessoa utiliza uma bicicleta em um ponto, pode deixar a que estava usando e pegar outra, porque o tempo de uso de uma bicicleta será de 30 minutos e o preço por mês que a pessoa paga será de aproximadamente R$10.Então essa será mais uma conquista planejada em 2013 que veremos em 2014, além de muitas outras, em todas as áreas da Prefeitura Municipal de Aracaju.

Nenhum comentário:

Postar um comentário