segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Joélia Silva fala sobre superlotação do Huse e diz que o Estado sozinho não pode dar conta de tudo

"O Governo sozinho não pode dar conta de tudo. Cada um precisa fazer a sua parte". A afirmação é da secretária de Estado da Saúde, Joélia Silva Santos, que vem insistentemente destacando os problemas enfrentados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em Sergipe, nos municípios e em outros Estados, que têm superlotado o maior hospital público de Sergipe, e alerta para a necessidade da atuação e responsabilização de todos níveis, sejam os municípios do interior, com acompanhamento na assistência básica ou na garantia da prestação de serviço na complexidade que é pactuada.


"O Governo do Estado vem assumindo o gerenciamento de toda a Rede Hospitalar e de Urgência e Emergência, inclusive grande parte da demanda do atendimento de baixa complexidade, que vem superlotando o Huse. A crise não é isolada na Saúde de Sergipe, mas sim do conjunto de Secretarias, em outros estados, municípios e no Brasil. Estou preparando um relatório diário para enviar ao Ministério Público Estadual sobre as ocorrências do SAMU, por exemplo. Se falta película de raio-X nas unidades Zona Norte e Zona Sul, o paciente acaba indo para o Huse que absorve a demanda mesmo sem ser dele, por ser porta aberta. Isso precisa ficar claro", afirmou Joélia Silva Santos.

A secretária destaca que os problemas já vêm sendo enfrentados pelo Governo do Estado de forma preventiva e que medidas vêm sendo adotadas para que a população não fique desassistida. "O governador Jackson Barreto tem acompanhado e conversamos sobre as medidas que temos que tomar para o enfrentamento desses problemas. Têm coisas para ontem, de curto e médio prazo. Por isso temos nos antecipado e atuado de forma preventiva", disse Joélia Silva Santos.

Para a gestora, o Huse tem que estar focado na assistência de pacientes graves. No entanto, na Ala Azul, quase 80% deveriam ser tratados em Unidades Básicas de Saúde e atendidos nas UPAs.

"A Ala Azul do Huse tem sido superlotada causando stress nas equipes, assim como a Ala Vermelha e Verde Trauma. Temos tido dificuldade de atendimento em outros estabelecimentos, seja na capital, ou no interior, e estados vizinhos, e esses pacientes acabam sendo mandados para a nossa porta. Nos municípios já contemplados pelo programa Mais Médicos, onde os prefeitos têm exigido o cumprimento efetivo da carga horária da Atenção Básica, nós temos observado que há menos encaminhamentos para a capital", disse a secretária.

Para a secretária, os servidores têm um papel fundamental na assistência da população. "Em nenhum momento nós omitimos os problemas que temos e não deixamos de ser agradecidos ao corpo de servidores das nossas unidades. Se eu não acreditasse em todos os profissionais, técnicos de enfermagem, nutricionistas, enfermeiros, médicos, farmacêuticos, segurança e serviços gerais, entre outros que temos dentro das nossas unidades, que se esforçam além das suas capacidades, não seria possível dar assistência à população", afirmou Joélia Silva Santos.

Termo de Ajustamento de Gestão

A secretária Joélia Silva reforça o importante papel do Tribunal de Contas do Estado no processo de melhoria do Huse, com a assinatura do Termo de Ajustamento de Gestão. "O TAG foi um instrumento construído de forma conjunta pelos atores envolvidos nos processos de trabalho dentro dos critérios possíveis de serem atendidos, conforme cronograma de prazos a serem atendidos e com entendimento à época do conselheiro Reinaldo Moura", destaca a secretária.

Nenhum comentário:

Postar um comentário