terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Iran pede para que Secretaria de Direitos Humanos não seja fragilizada em reforma administrativa

O vereador Iran Barbosa (PT) defendeu, em Sessão Especial realizada na tarde da última segunda-feira, 09/10, na Câmara Municipal de Aracaju, dedicada ao Dia Mundial dos Direitos Humanos (Sedhuc) que, numa possível reforma administrativa que venha a ocorrer no governo de Jackson Barreto (PMDB), a Secretaria de Estado dos Direitos Humanos e da Cidadania  criada no segundo mandato do então governador Marcelo Déda, que faleceu no dia 2/12, e da qual Iran foi o primeiro secretário  possa ser preservada e fortalecida.

O parlamentar estará protocolando na Casa Moção de Apelo a Jackson neste sentido. O peemedebista deverá tomar posse de fato no cargo exatamente na terça-feira 10, Dia Mundial dos Direitos Humanos.
“Pela história de luta pelos direitos humanos
 que tem Jackson Barreto, pelo que ele sofreu, venha a reforma administrativa que vier, que não se tire esta conquista deixada pelo governador Marcelo Déda ou que a secretaria venha a ser fragilizada”, disse o petista.
Homenagem
No início de sua intervenção, o vereador Iran Barbosa requereu, verbalmente, que a sessão especial fosse nominada de Nelson Mandela, em homenagem ao líder antiapartheid, ex-presidente sul-africano e prêmio Nobel da Paz, que morreu, aos 95 anos, no último dia 5/12, em Johanesburgo.
“Em um dia como hoje, em uma sessão que trata do Dia Mundial dos Direitos Humanos, não poderíamos deixar de fazer este registro e dedicar esta sessão a um ícone da luta pelos direitos humanos. Ao falarmos desta luta, não podemos deixar de falar em Nelson Mandela”, enfatizou.
Na presença do secretário de Estados dos Direitos Humanos e da Cidadania, Luís Eduardo Oliva, que também participou da sessão, Iran Barbosa externou sua compreensão das dificuldades vividas pelo secretário que o sucedeu à frente da pasta, quanto à resistência de setores, dentro da estrutura de governo, à criação da Sedhuc.
“Sempre soube que a criação da Secretaria de Direitos Humanos significava uma disputa dentro do governo, contra o segmento que vê na obra física da ponte, do asfalto etc., uma importância gigantesca. Não quero minimizar a importância dessas obras, mas elas não são maiores que a importância que tem a constituição de espaços para que se garanta a luta e a perseguição pelos direitos da pessoa humana. As obras físicas existem para servir às pessoas humanas; mas se as obras existem e as pessoas humanas são aviltadas nos seus direitos mais elementares, de que adiantam pontes e asfalto”, expressou o vereador.
Iran Barbosa também relembrou que, no seu primeiro mandato de vereador, no ano de 2005 apresentou – e teve aprovado – o Projeto de Resolução (50/2005), criando o Prêmio Aracaju de Direitos Humanos, para laurear instituições e personalidades que se destacam na luta em defesa dos direitos da pessoa humana.
“Fui deputado federal, voltei a ser vereador e não encontro esta resolução nas pesquisas que faço aqui na Casa. É uma tarefa que tenho a cumprir, que é resgatar esta proposta, que cumprirá uma tarefa importante para fortalecer a luta cotidiana pelos direitos humanos em nossa cidade”, disse.
Sobre a sessão
O requerimento para Sessão Especial pelo Dia Mundial dos Direitos Humanos foi da vereadora Lucimara Passos (PCdoB) e contou com a participação dos vereadores Emmanuel Nascimento (PT), Lucas Aribé (PSB) e Pastor Roberto Morais (SDD).
Foram palestrantes na sessão Lídia Anjos, articuladora do Movimento Nacional de Direitos Humanos; Luís Eduardo Oliva, secretário de Estado dos Direitos Humanos; Maria da Pureza, secretária-adjunta da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres; e Rosenice Machado, da Comissão de Direitos Humanos da OAB-SE.
Ascom/Iran Barbosa

Nenhum comentário:

Postar um comentário