segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

COLUNA MAX AUGUSTO: A Saúde e os mitos


A sedimentação de discursos políticos se dá sob circunstâncias que nem mesmo os marqueteiros mais astutos e experientes são capazes de prever. Uma atuação incisiva da oposição, amparada por uma imprensa ansiosa por manchetes carregadas, contingenciamento de recursos na comunicação e falta de carisma em figuras importantes da administração ou de um grupo político, são apenas alguns fatores que podem contribuir para a construção de uma imagem negativa de um governo – ou de um governante.


E é isso que vinha acontecendo no atual governo. Amparado nos fatores já citados, a oposição ao Governo do Estado cumpre seu papel ao apontar falhas, e conseguiu erigir alguns mitos, que aos poucos vem sendo derrubados pelo alvorecer dos fatos. Um desses mitos era de que a gestão de Marcelo Déda (PT) e Jackson Barreto (PMDB) não seria empreendedora, não teria obras a apresentar.

Frente às inaugurações de grande porte, como as pontes Joel Silveira e Gilberto Amado, o viaduto do Detran e várias outras, essa tese esvaiu-se aos poucos. Há bem pouco tempo muito repetida pelas ruas, até mesmo a oposição vem abandonando-a. Contribuiu para o esvaziamento dessa crítica a impressionante agenda de inaugurações que vem sendo mantida pelo governador Jackson Barreto (PMDB), semanalmente visitando municípios sergipanos, inaugurando até três ou cinco obras em cada viagem.

Clínicas
Além das obras estruturantes e de maior visibilidade, o governo vem construindo em todos os municípios: são escolas reformadas e ampliadas, ginásios e quadras esportivas em povoados historicamente esquecidos pelo poder público, ruas drenadas e calçadas, além da inauguração das tão faladas Clínicas de Saúde e Hospitais Regionais – um projeto grandioso que ao final terá levado mais de cem unidades ao interior do estado.

E a grande crítica que se faz a essas clínicas e hospitais, todos já decoraram: “Não adianta construir clínicas que estão sem médicos e não funcionam”. Essa afirmação foi construída em cima de uma inverdade. As clínicas e hospitais estão funcionando sim – ainda que em muitos casos não como deveriam. Essas unidades de Saúde foram entregues e estão equipadas. E agora, com a chegada dos profissionais do programa “Mais Médicos”, estarão a pleno vapor.

Mas mesmo antes da chegada desses médicos, elas já estavam em funcionamento. A atividade delas foi fundamental para que não houvesse um estrangulamento definitivo no HUSE. O interior ainda continua realizando a velha política das ambulâncias, despejando pacientes na rede pública da capital, mas muitos atendimentos estão sendo realizados no local onde reside o paciente. A pedido da coluna a Secretaria da Saúde realizou levantamento apresentado abaixo, que comprova: os problemas ainda são grandes e não cabem embaixo do tapete – mas a rede de saúde no interior do estado está em funcionamento sim. Confira!

HOSPITAL REGIONAL DE NOSSA SENHORA DA GLÓRIA
Total de atendimentos de janeiro a novembro: 59.272
Exames laboratoriais: 30.986
ECG: 1.459
Raio-X: 4.510
Partos: 964 - 578 normais e 390 cesarianas

HOSPITAL REGIONAL DE LAGARTO
Total de Atendimentos gerais de janeiro a setembro: 47.397
Procedimentos cirúrgicos: 2.451
Cirurgias gerais: 1.400
Cirurgias ortopédicas: 1.051
Exames laboratoriais: 98.000
Exames complementares: 114.254

HOSPITAL REGIONAL DE NOSSA SENHORA DO SOCORRO
Total de Atendimentos de janeiro a setembro: 48.000
Atendimentos de Ginecologia e Obstetrícia: 7 mil
Total de partos: 1098 – sendo 350 cesáreos e 748 normais
Cirurgias Ortopédicas: 1.000
Exames laboratoriais: 79.389
Exames de imagem (Raio X e ECG): 3.522

HOSPITAL DE ITABAIANA
Atendimentos gerais: 72.690 (média de 8 mil mês)
Cirurgias gerais: 1147
Atendimento na nova urgência ortopédica 24 Horas aberta em 18 de outubro (outubro e novembro): 1.100

HOSPITAL DE PROPRIÁ
Atendimentos mês de outubro: 5.391
Partos em outubro: 122 partos (82 normais e 40 cesáreos).
Exames em outubro: 1.700

HOSPITAL DE ESTÂNCIA
Atendimentos gerais de janeiro a setembro: 43.223
Exames: 4.088 (em outubro e novembro)
Obs.: 65 novos leitos abertos em julho

MATERNIDADE NOSSA SENHORA DE LOURDES
Total de Atendimentos gerais de janeiro a setembro: mais de 11.000
Gestantes de alto risco atendidas: 5.270
Partos Normais: 1.575 // Partos Cesarianos: 1.989

MATERNIDADE DE CAPELA
Atendimentos gerais de janeiro a outubro: 3.107
Exames laboratoriais: 12.568 exames laboratoriais
Internações: 1.355 internações. (1.216 foram partos, 111 curetagens, 8 internamentos em clínica médica e 120 pediátricos)

UPA DE BOQUIM:
Atendimentos gerais de janeiro a outubro: 27.564 atendimentos
Exames laboratoriais: 22.569

HOSPITAL DE TOBIAS BARRETO
Atendimentos gerais de janeiro a outubro: 41.619 (média de 4 mil /mês)
Partos: 65. (média de atendimento mensal de 4 mil pacientes)

HOSPITAL DE NEÓPOLIS
Atendimentos: entre 3,5 mil a 4 mil atendimentos/mês.
Exames: 1.700

Nenhum comentário:

Postar um comentário