quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Capitão Samuel presta desserviço à segurança e à população, diz Zezinho

O deputado estadual Zezinho Guimarães (PMDB) revelou hoje que, como homem público legitimado pelo povo, o deputado estadual capitão Samuel (PSL) presta um grande “desserviço” à população e “estimula a ação dos marginais”, ao expor  diariamente na tribuna da Assembleia Legislativa e nos veículos de comunicação, as fragilidades da segurança pública.

“Nós não temos a melhor segurança do mundo, mas não podemos deixar de enxergar os investimentos que o governo tem feito para melhorar o setor, só em termos de estrutura, mas também de salários”, defendeu Zezinho, destacando que “se o marginal, devidamente avisado pelo capitão Samuel  -  através dos discursos públicos que faz todos os dias - sabe que local A ou B não tem segurança, vai naturalmente se sentir livre para agir”, afirmou o deputado.

Segundo ele,  é desta forma que o colega capitão Samuel tem agido. “Ele faz isso diariamente. Põe em risco o povo e  incentiva a marginalidade”, afirmou Zezinho Guimarães para quem Samuel age pela emoção, sem levar em conta tudo o que vem sendo feito pela atual administração, seja pelo governador licenciado Marcelo Déda, seja pelo governador em exercício, Jackson Barreto.

DESVIO DE FUNÇÃO – Zezinho reconhece que há policiais desviados de função e lembrou que o próprio Samuel quando estava em atividade, também, esteve desviado por algum tempo. “Essa é uma anomalia que precisa ser corrigida, mas sempre existiu, continua existindo e existirá no futuro, infelizmente”, afirmou.

Ele acrescentou que se Samuel quisesse, de fato, contribuir para resolver os problemas da segurança, “deveria conversar civilizadamente com o governo e/ou com a cúpula da segurança pública para expor as suas sugestões e não ficar alardeando as fragilidades para que os bandidos ataquem pais e mães de famílias, diariamente”. Para Zezinho Guimarães, o capitão se apega a detalhes “irrelevantes” e que não cooperam em nada com a discussão e nem com a solução do problema.

Nenhum comentário:

Postar um comentário