terça-feira, 15 de outubro de 2013

Renda dos trabalhadores sergipanos tem aumento real de 9,4% em 2012, aponta PNAD


A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2012, divulgada na última sexta-feira pelo IBGE, traçou uma radiografia dos estados brasileiros. Com base nos primeiros dados divulgados, o Observatório de Sergipe passa a relatar a seguir os principais resultados de Sergipe na pesquisa. Segundo explica Marcel Resende, superintendente de Estudos e Pesquisas da Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag), para Sergipe, a pesquisa apontou que já somos 2.151.820 de habitantes. A maior parte da população, ou seja, 514 mil, está na faixa de 25 a 39 anos.

A maioria ainda é de mulheres, que responderam por 52,16% da população estadual. Em relação à situação dos domicílios onde essa população reside, 73,4% estavam localizados em áreas urbanas. Já em relação ao percentual de residentes por cor ou raça, 67,7% se autodeclararam da cor parda, 23,2% branca, 8,8% preta, 0,1% indígena e 0,1% amarela.


O aumento da esperança de vida do sergipano pode ser comprovado pelo aumento do número de idosos em Sergipe. O percentual da população acima de 60 anos passou de 10,2% em 2011 para 10,4%, em 2012. O percentual de crianças com idade entre 0 a 4 anos manteve-se estável em 7,7%, enquanto o de jovens entre 15 e 19 anos, saltou de 8,6% para 10,1%.




Renda tem aumento real
de 9,4% entre 2011 e 2012

A Pesquisa Nacional por Amostra Domiciliar (PNAD) 2012, divulgada pelo IBGE, mostra também um ganho real de 9,4% no rendimento médio mensal real de todos os trabalhos das pessoas de 15 anos ou mais de idade em Sergipe, na comparação entre 2011 (R$ 1.063,00) e 2012 (1.163,00). O rendimento médio dos trabalhadores sergipanos é superior ao verificado em todas as unidades da federação do Nordeste.


Aumentou também a desigualdade entre homens e mulheres neste período. Em 2012, as trabalhadoras sergipanas recebiam o equivalente a 71% (R$ 939,00) dos rendimentos dos homens (R$ 1.308,00); em 2011 esta proporção era de 82,76%.


Desemprego cai
para 7,7% em 2012

A taxa de desocupação das pessoas de 15 ou mais anos de idade foi de 7,7% em 2012, abaixo do índice de 8,4% verificado na PNAD 2011. A desocupação entre as mulheres ainda é mais alta do que entre os homens, sendo de 11,1% a desocupação entre as mulheres contra 5,1% entre os homens. A faixa etária que apresentou a maior taxa de desocupação foi a das pessoas de 18 a 24 anos, com 14,95%.


Nível de ocupação
cresce em Sergipe

O nível de ocupação da população do estado também cresceu em 2012, o índice geral foi de 59,8% ante 59,4% em 2011. A discrepância no nível de ocupação entre os sexos vem se reduzindo nos últimos anos, o das mulheres saiu de 44,4% (2011) para 47,2% (2012), ao passo que entre os homens a taxa caiu de 76,4% (2011) para 74,1% (2012). Apesar dessa diminuição, o nível de ocupação dos homens ainda é superior ao das mulheres, enquanto estas apresentaram nível de ocupação, em 2012, de 47,2%, entre aqueles a taxa é de 74,1%.

Diminui a concentração
de renda em Sergipe

A concentração de renda também diminui no estado. O Índice de Gini da distribuição do rendimento mensal das pessoas de 10 anos ou mais de idade, que mede o grau de concentração de renda, cujo valor varia de zero (perfeita igualdade) a um (desigualdade máxima), manteve a tendência de queda verificada nos anos anteriores, passando de 0,544 para 0,533, redução de 2% em 2012 comparado a 2011.

Qualidade de vida e oportunidades
atraem pessoas de fora do estado

Em relação à migração, Sergipe continua sendo o estado do Nordeste com maior percentual de pessoas não naturais em relação à Unidade da Federação. No total, 11,6% da população local não é nascida em Sergipe, o que aponta o estado como grande receptor de pessoas à procura de qualidade de vida e de oportunidades, como emprego e ensino superior.


Aumenta número de pessoas
com moradia própria

A PNAD 2012 investigou também os tipos de ocupações mais frequentes das famílias brasileiras. Em relação aos tipos de ocupações, há três subdivisões: casa, apartamento e cômodo. Elas podem ser próprias, alugadas ou cedidas. Em Sergipe, a casa é o tipo de ocupação mais frequente, sendo que 95% dos sergipanos residem neste tipo de habitação. O número de pessoas que declararam ter moradia própria, seja casa ou apartamento, aumentou de 73,5% (2011) para 76% (2012). Verificou-se, na Pesquisa, que o número de moradores em domicílios alugados, seja casa ou apartamento, diminuiu em relação a 2011.

Pesquisa aponta avanço na
posse de bens duráveis

O número de domicílios no estado cresceu 0,27% em relação à PNAD 2011, chegando a 655 mil unidades. Em relação à posse de bens duráveis a pesquisa apontou avanços entre 2011 e 2012. Os destaques foram: Filtro de água (49,3% para 52,9%); geladeira (93,4% para 95,0%); freezer (7,1% para 7,3%); Máquina de lavar roupa (27,1% para 30,6%), microcomputador (26,9% para 33,6%) e aparelho de DVD (73,8% para 77,5%).

Houve também um aumento no percentual de domicílios particulares permanentes onde o morador possuía automóvel (de 21,8% em 2011 para 23,9% em 2012) ou motocicleta (21,0% em 2011 para 23,9% em 2012).


Em um ano cresce a
cobertura de serviços

O percentual de domicílios ligados à rede geral de abastecimento de água saiu de 87,9% para 88,2%. O percentual de domicílios com fossa séptica ligada à rede coletora também cresceu saindo de 13,6% em 2011 para 14,7% em 2012. O número de domicílios com acesso a telefone que, em 2011, era de 86,8% foi para 90,7%, em 2012.

Aumenta acesso às
tecnologias da informação

Em relação à proporção de moradores com telefone celular e acesso à Internet, a PNAD 2012 apontou que 71,2% das pessoas afirmaram possuir telefone celular contra 67,3% registrado em 2011, enquanto 41,1% informaram acessar a internet contra 34,5% em 2011.





Nenhum comentário:

Postar um comentário