quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Ouvintes de música gospel e funk têm pontos em comum

Os estilos musicais podem ser completamente diferentes, mas existem muitas semelhanças entre as pessoas que escutam funk e música religiosa no rádio. É o que aponta o estudo Tribos Musicais, desenvolvido pela área de Learning & Insights, do IBOPE Media. de acordo com o levantamento, 29% dos ouvintes de rádio escutam música religiosa e 17%, funk. Nos dois grupos, mais da metade dos ouvintes é composto por mulheres: 61% e 51%, respectivamente.

Os públicos dos dois estilos musicais também se assemelham em relação às características sócio-economicas, com predominância das classes mais baixas. Entre os funkeiros, as classes CDE representam 71% dos ouvintes, percentual que entre os amantes de música religiosa é de 72%.

Além disso, 38% dos funkeiros afirmam escutar música religiosa e, entre os ouvintes de gospel, 22% dizem escutar funk.

Por outro lado, os estilos de vida se destacam como principal diferença entre os grupos. Enquanto os funkeiros aproveitam o presente sem se preocupar com o futuro (43%), os ouvintes de música religiosa acreditam que seja mais importante cumprir com seus deveres do que aproveitar a vida (54%).




Leia também:

 

Justiça atende pedido da Defensoria Pública e determina interdição do Cenam

 

Exame da OAB: confira o desempenho das faculdades

 

Mais de vinte cães morrem em incêndio criminoso

 

Roubo paralisa atendimento da Unidade de Saúde do Bairro América

 

Vale confirma que irá instalar usina em Japaratuba

 

Jackson Barreto diz que quer ampliar aliança

 

Vereador cobra mais agilidade nas obras da Deso

 

ENTREVISTA: “Excesso de pessoal é um dos principais problemas nas Prefeituras”, disse Carlos Alberto Sobral de Souza

 

R$ 143 bilhões devem ser injetados na economia a título de 13º salário

 

Proposta de reforma do Código Penal recebe 806 emendas

 

GT da Reforma Política vai propor voto facultativo e teto de gastos na campanha

 

Comissão aceita proposta que repassa para empregador custeio integral do vale-transporte

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário