segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Hospital Regional de Socorro registra 66 mil atendimentos de janeiro a setembro de 2013

O Hospital Regional de Nossa Senhora do Socorro, administrado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) por meio da Fundação Hospitalar de Saúde (FHS), é referência nos atendimentos de baixa e média complexidade. De janeiro a setembro deste ano, a unidade hospitalar registrou quase 66 mil atendimentos. No mesmo período, ainda foram computados 79.389 exames laboratoriais e 3.522 exames de imagem (Raio X e ECG).

“O Hospital Regional de Socorro é uma referência para os moradores de Nossa Senhora do Socorro, Nossa Senhora das Dores, Cumbe, Capela, Maruim, Carmopólis, Pirambu e Japaratuba. Aqui garantimos aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) o atendimento clínico e pediátrico 24 horas. Ele é retaguarda para o Hospital de Urgências de Sergipe (Huse) e contribui para a resolutividade da Rede Hospitalar”, destaca a superintendente Genisete Pereira.

No Pronto Socorro da unidade, os usuários contam com uma equipe composta por 18 médicos clínicos e sete pediatras, além de enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, fisioterapeutas e assistentes sociais.

Já a parte de internamento de Clínica Médica dispõe de 20 leitos com equipe de enfermagem 24 horas e visita médica diária aos pacientes. Neste setor, as equipes são compostas por clínicos diaristas, fisioterapeutas, nutricionistas, infectologista, enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem e assistente social.

A superintendente destaca ainda o grande número de cirurgias ortopédicas realizadas na unidade. “De janeiro a setembro deste ano, realizamos quase mil cirurgias. A unidade é retaguarda para cirurgias ortopédicas, como suporte para o Huse. As cirurgias ortopédicas são eletivas e realizadas de segunda à sexta-feira. Vale lembrar, que todos os agendamentos  para este tipo de procedimento são  feitos pelo Huse”, ressalta.

A aposentada Bernadete Alves teve uma fratura após uma queda. Ela foi até o Huse, onde recebeu os primeiros cuidados e, em seguida, foi regulada para o Hospital Regional de Socorro, onde submeteu-se a uma cirurgia. 

“Gostei demais do atendimento. Os remédios são sempre dados na hora certa. Os médicos e enfermeiros são muito atenciosos e sempre nos passam, de forma clara, todos os procedimentos realizados. A cirurgia aconteceu de forma tranquila. Agora estou em processo de recuperação e, segundo os médicos, devo ter alta nos próximos dias”, conta.

Maternidade
Dentre os 48 mil atendimentos realizados pelo Hospital Regional de Nossa Senhora do Socorro, quase 7 mil são de ginecologia e obstetrícia. A unidade registrou 1098 partos de janeiro a setembro, sendo que 748 correspondem a partos normais e os outros 350 partos cesáreos.

Com 18 leitos e uma equipe multidisciplinar, a unidade tem o poder resolutivo nos atendimentos considerados de risco habitual, o que desafoga outras unidades de assistência materno-infantil, a exemplo da Maternidade Nossa Senhora de Lourdes, situada em Aracaju, referência para casos de alto risco.

Ainda de acordo com Genisete Pereira, a maternidade trabalha com a política do parto humanizado e alojamento conjunto (mãe perto do bebê), de acordo com o que preconiza o Ministério da Saúde (MS).

“Damos todo o suporte essencial para que seja realizado o parto normal ou humanizado. Com ele, reduzimos a permanência na unidade hospitalar em até dois dias, já que pouco se precisa de intervenção cirúrgica. Além disso, trabalhamos com a forma de alojamento conjunto, isso estimula o aleitamento materno”, reforça a superintendente.

Genisete explica ainda qual é o procedimento realizado caso haja parto prematuro na unidade. “No mês de setembro, realizamos dois partos de gêmeos. Os procedimentos foram normais e os bebês tinham peso regular. Aqui, os bebês prematuros recebem os primeiros cuidados e, em seguida, por precisar de tratamento específico, são regulados por uma Unidade de Suporte Avançado (USA) do Samu, à Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (Utin) da Maternidade Nossa Senhora de Lourdes, por ser referência em atendimento neste tipo de caso”, ressalta.

A dona de casa, Lucinalva dos Santos, afirma que “não existe melhor local para dar a luz como o Hospital de Nossa Senhora do Socorro. No período em que eu estava grávida, ouvi falar muito bem da unidade e pude comprovar tudo isso agora. O local é limpo de forma constante, a comida é muito boa e o atendimento dos profissionais é de primeira linha. Eu e minha filha, Sophia, fomos muito bem assistidas”. 



LEIA TAMBÉM:












 

Nenhum comentário:

Postar um comentário