quinta-feira, 29 de agosto de 2013

“Povo de Aracaju foi derrotado com veto a projeto”, avalia Adriano Taxista


O vereador de Aracaju, Adriano Oliveira (PSDB), o “Adriano Taxista”, avaliou de forma negativa a articulação da Prefeitura Municipal para vetar, na Câmara dos Vereadores, o projeto de lei 97/2013, de sua autoria A proposta estabelecia um prazo de sete anos de uso dos ônibus que atuam no sistema integrado do transporte de Aracaju. Adriano justificou dizendo que a frota que circula na capital é antiga, desconfortável e que os passageiros do serviço deveriam ser mais respeitados.

 
Adriano explicou que a manutenção do veto do prefeito, aprovado por maioria pela CMA, ao seu projeto representou uma derrota par ao povo de Aracaju. “As pessoas ficam me questionando o porquê dos vereadores não aprovarem essa lei! A gente sai nas ruas e só vê sucatas, são mais de 284 ônibus com mais de sete anos de uso. Tem carro de 1994 circulando. Quem foi prejudicado não foram os vereadores, mas o povo de Aracaju que foi mais uma vez derrotado com o veto desse projeto. Fui eleito para representar o povo e estou tentando fazer a minha parte”.


Durante a sessão, que marcou a manutenção do veto do prefeito ao projeto, o vereador Max Prejuízo (PSB) declarou que era a favor do projeto. “Quando o ônibus chegar a sete anos de uso, ele poderia ser doado para instituições filantrópicas, ou a associações, o que não pode são os ônibus ficarem rodando sem condições”, opinou. Para Emmanuel Nascimento (PT), esse veto não é democrático.


Os vereadores Dr. Agnaldo (PR), Renilson Félix (DEM) e Ivaldo José (PSD) apresentaram suas justificativas. “O que me chama a atenção, é que a gente não pode legislar nesse transporte, pois têm veículos que trafegam tanto por Aracaju quanto pela Grande Aracaju, então, aqui a gente aprova esse projeto, e se em Nossa Senhora do Socorro eles não aprovarem? Quer dizer que o ônibus não vai poder rodar aqui, mas lá pode? Essa é uma situação que precisa ser melhor estudada”, declarou Renilson Félix.



LEIA TAMBÉM:















 

Nenhum comentário:

Postar um comentário