terça-feira, 6 de agosto de 2013

Cesta básica está mais barata

Em julho, todas as 18 capitais em que o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos – realiza mensalmente a Pesquisa Nacional da Cesta Básica apresentaram queda no preço do conjunto de gêneros alimentícios essenciais. A última vez em que houve recuo no preço da cesta em todas as localidades acompanhadas foi em maio de 2007, quando o levantamento era realizado em 16 cidades[1]. As retrações mais significativas, em julho, foram registradas em Brasília (-8,86%), Florianópolis (-7,61%), Porto Alegre (-7,06%) e Goiânia (-7,00%). As menores variações ocorreram em Salvador (-0,18%), Vitória (-1,55%) e Manaus (-1,82%).
 
São Paulo continuou a ser a capital com o maior valor (R$ 327,44) para os gêneros alimentícios de primeira necessidade, apesar do recuo de 3,82% ocorrido no último mês, no custo da cesta paulistana. Vitória registrou o segundo maior custo, com R$ 310,73, seguida por Manaus (R$ 310,52) e Porto Alegre (R$ 305,91). Os menores valores médios foram observados em Aracaju (R$ 239,36), Salvador (R$ 259,73) e Campo Grande (R$ 264,87).

Com base no custo apurado para a cesta de São Paulo, e levando em consideração a determinação constitucional que estabelece que o salário mínimo deve ser capaz de suprir as despesas de um trabalhador e sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, o DIEESE estima mensalmente o valor do salário mínimo necessário. Em julho deste ano, o menor salário pago deveria ser de 
R$ 2.750,83, ou seja, 4,06 vezes o mínimo em vigor, de R$ 678,00. Em junho, o mínimo necessário era maior e equivalia a R$ 2.860,21, ou 4,22 vezes o piso vigente. Em julho de 2012, o valor necessário para atender às despesas de uma família chegava a R$ 2.519,97, o que representava 4,05 vezes o mínimo de então (R$ 622,00).

Variações acumuladas
Entre janeiro e julho deste ano, somente em Florianópolis a variação acumulada do preço da cesta básica apresentou queda (-2,08%). Nas demais 17 localidades houve alta, com os maiores aumentos verificados no Nordeste – região que atravessa período de forte seca: Aracaju (17,30%), João Pessoa (15,85%), Salvador (14,36%), Natal (13,34%) e Recife (12,46%). Belo Horizonte (0,89%), Goiânia (2,34%), Curitiba e Brasília (ambas com 3,08%) apresentaram as menores variações acumuladas.

Em 12 meses (entre agosto de 2012 e julho último – período para o qual os dados referem-se a 17 capitais, pois ainda não havia pesquisa em Campo Grande (MS) – todas as localidades apresentam alta, embora em ritmo menos intenso que nos períodos anteriores. As maiores variações foram encontradas em: Salvador (18,72%), João Pessoa (18,13%) e Recife (17,81%). Os menores aumentos acumulados foram verificados em Belo Horizonte (1,81%), Porto Alegre (1,98%) e Brasília (3,22%).

Pesquisa Nacional da Cesta Básica
Custo e variação da cesta básica em 18 capitais
Brasil – julho de 2013
Capital

Variação
mensal (%)
Valor da
cesta
Porcentagem do
salário mínimo
líquido
Tempo de
trabalho
Variação
no ano (%)
Variação
anual (%)
Salvador

-0,18
259,73
41,64
84h17m
14,36
18,72
Vitória

-1,55
310,73
49,82
100h50m
6,82
6,85
Manaus

-1,82
310,52
49,78
100h46m
6,98
11,27
Rio de Janeiro

-3,00
300,71
48,21
97h35m
6,70
3,46
Belém

-3,22
299,07
47,95
97h03m
10,12
15,08
João Pessoa

-3,48
275,54
44,17
89h24m
15,85
18,13
Aracaju

-3,51
239,36
38,37
77h40m
17,30
15,00
São Paulo

-3,82
327,44
52,49
106h15m
7,39
9,37
Campo Grande

-4,00
264,87
42,46
85h57m
9,03
(1)-
Natal

-4,59
271,61
43,54
88h08m
13,34
10,78
Belo Horizonte

-4,86
293,48
47,05
95h14m
0,89
1,81
Curitiba

-5,04
279,66
44,83
90h45m
3,08
4,35
Recife

-5,63
279,98
44,89
90h51m
12,46
17,81
Fortaleza

-6,01
275,27
44,13
89h19m
8,90
14,31
Goiânia

-7,00
269,34
43,18
87h24m
2,34
4,13
Porto Alegre

-7,06
305,91
49,04
99h16m
3,92
1,98
Florianópolis

-7,61
284,03
45,54
92h10m
-2,08
6,63
Brasília


284,45
45,60
92h18m
3,08
3,22
Fonte: DIEESE.  Nota: (1) Dado inexistente

Cesta x salário mínimo
Com a queda no preço dos itens essenciais em todas as 18 capitais pesquisadas pelo DIEESE, a jornada de trabalho necessária para o trabalhador que ganha salário mínimo adquirir a cesta básica diminuiu, totalizando, na média das 18 capitais, 92 horas e 31 minutos, enquanto em junho chegava a 96 horas e 55 minutos. Em comparação com julho de 2012, o tempo de trabalho necessário para a mesma aquisição encontrava-se em patamar semelhante, equivalendo a 92 horas e 48 minutos.

Quando se compara o custo da cesta com o salário mínimo líquido, ou seja, após o desconto referente à Previdência Social, verifica-se que o trabalhador remunerado pelo piso nacional comprometeu, em julho, 45,71% dos vencimentos para comprar os mesmos produtos que, em junho, demandavam 47,89%. Em julho de 2013, o comprometimento do salário mínimo líquido com a compra da cesta equivalia a 45,85%.

Comportamento dos preços
Em julho, os preços dos produtos alimentícios essenciais mostraram predomínio de queda na maioria das capitais. Somente o leite registrou alta em todas as capitais enquanto o tomate teve redução também nas 18 localidades pesquisadas.

Apenas em Manaus (-6,16%), o preço do tomate, em julho, teve queda inferior a 10,0%. Já em cinco cidades a retração superou 40,0%: Rio de Janeiro (-40,71%), Belo Horizonte (-40,82%), Porto Alegre (-45,63%), Goiânia (-46,93%) e Brasília (-56,81%). Na comparação em 12 meses – que conta com dados referentes a 17 cidades, pois a pesquisa ainda não era realizada em Campo Grande em julho de 2012 -, o tomate ainda está mais caro, atualmente, em três capitais: Florianópolis (29,28%), Aracaju (7,50%) e Belém (4,12%). Nas demais, o recuo em relação a julho de 2012 variou de -2,96%, em Recife a -59,17%, em Belo Horizonte.

O preço do óleo de soja diminuiu, em julho, em 15 localidades. As quedas mais expressivas verificaram-se em Campo Grande (-11,41%), Salvador (-7,24%), Goiânia (-5,66%) e São Paulo (-5,21%). Houve estabilidade em Curitiba e pequena alta em Recife (1,71%) e Belo Horizonte (1,06%). Em 12 meses, somente em Manaus o óleo (1,83%) registrou aumento enquanto, nas demais localidades, foi apurada retração que variou de -3,66%, em Belém a -14,16%, em Belo Horizonte.


TABELA 3
Variação mensal do gasto por produto
Julho de 2013

Produtos
Centro-Oeste
Sudeste
Sul
Norte/Nordeste

Brasília
Campo
Grande
Goiânia
Belo
Horizonte
Rio de
Janeiro
São
Paulo
Vitória
Curitiba
Floria-
nópolis
Porto
Alegre
Aracaju
Belém
Forta-
leza
João
Pessoa
Manaus
Natal
Recife
Salvador

Total da Cesta
-8,86 
-4,00 
-7,00 
-4,86 
-3,00 
-3,82
-1,55 
-5,04 
-7,61 
-7,06 
-3,51 
-3,22 
-6,01 
-3,48 
-1,82 
-4,59
-5,63 
-0,18 

Carne 
3,99 
-0,49 
-1,99 
-0,38 
1,06 
0,84 
5,30 
2,52 
-5,68 
0,60 
-1,80 
-0,68 
-0,55 
0,84 
-2,04 
3,57 
-0,35 
3,46 

Leite 
6,04 
2,85 
1,96 
2,43 
7,54 
5,17 
8,24 
...

Nenhum comentário:

Postar um comentário