quinta-feira, 8 de agosto de 2013

80% da população considera o Brasil um país burocrático

O Brasil é considerado um país burocrático ou muito burocrático por 80% da população, de acordo com pesquisa do IBOPE Inteligência realizada a pedido da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Na pesquisa, 15% dos entrevistados consideram o país pouco burocrático e 5% não sabem opinar a respeito. Vale ressaltar que entre a população de menor renda, o percentual dos que não responderam a questão é de 12%, enquanto entre os de maior renda é de 0%.

Segundo o levantamento, quando comparado com outras nações, 32% dos entrevistados consideram o Brasil mais burocrático do que outras nações, ante 28% que o consideram tão burocrático quanto outros países e 26% que o consideram menos burocrático que os outros.

Para a grande maioria dos brasileiros, o excesso de burocracia é algo negativo para o país. No total, 76% dos entrevistados afirmam acreditar que a burocracia do governo aumenta o preço dos produtos e serviços e 72% avaliam que o problema se reflete no crescimento dos custos da administração pública.

De acordo com o estudo, para 73% dos brasileiros, o excesso de burocracia também dificulta o crescimento do país, além de estimular a corrupção e desestimular os negócios. Outros 72% dizem que o problema leva à informalidade.

A gravidade do problema se evidencia à medida que 69% dos brasileiros afirmam que o governo deveria eleger o combate à burocracia como uma de suas prioridades.

Apesar de o excesso de burocracia ser considerado como um problema, 57% acreditam que a burocracia é um mal necessário e que dentro do serviço público ela é importante para evitar o uso indevido de recursos públicos (63%).

Burocracia no dia a dia
Nos últimos dois anos, entre uma lista de 24 serviços ou procedimentos que requerem o cumprimento de ao menos uma obrigação legal, 21% dos entrevistados afirmaram ter tirado a carteira de identidade, 20% fizeram crediário para bens de consumo, 14% tiraram CPF, mesmo percentual dos que receberam direitos trabalhistas como FGTS, PIS e Seguro Desemprego.

Há também 13% que transferiram um veículo, 12% que tiraram a carteira de trabalho, 12% que obtiveram empréstimos ou financiamentos em bancos e 10% que tiraram a carteira de motorista.

Avaliação
Na pesquisa, os entrevistados avaliaram o grau de dificuldade em realizar um serviço ou procedimento da lista, com base em uma escala de 1 (muito difícil) a 5 (muito fácil). A partir desses resultados foram construídos indicadores para cada um dos serviços ou procedimentos, que variam de 0 a 100, sendo que quanto mais próximo de 100, maior o grau de dificuldade.

Os serviços considerados mais difíceis de realizar são: fazer inventário (66 pontos); requerer aposentadoria ou pensão (63 pontos) e encerrar uma empresa (63 pontos).

Já os serviços ou procedimentos mais fáceis são o registro de nascimento (29 pontos), obter a carteira de trabalho (32 pontos) e fazer crediário para compra de bens de consumo durável, tais como TV, geladeira e móveis (33 pontos).
Para 82% dos brasileiros, os documentos como RG, CPF, CNH, título de eleitor e PIS/PASEP deveriam ser unificados em um só documento. Outros 10% dizem discordar total ou parcialmente da proposta.

Sobre a pesquisa
O IBOPE Inteligência ouviu 2002 pessoas em 142 municípios do país, entre os dias 6 e 9 de dezembro de 2012. O intervalo de confiança do estudo é de 95% e a margem de erro é de 2 pontos percentuais. 


Fonte: Iboppe 



Leia também:













CPI da Telefonia quer proibir venda de celulares 

Nenhum comentário:

Postar um comentário