quinta-feira, 25 de julho de 2013

Comunicadores vão fazer ato em frente a uma grande empresa em Aracaju

Os jornalistas e radialistas decidiram que farão um ato em uma grande empresa de comunicação na capital na próxima sexta-feira, dia 26. A concentração será às 5h em frente ao Sindicato dos Radialistas. A decisão foi tomada na assembleia das duas categorias realizada na última terça-feira, dia 23.

“Na sexta vamos estar nas ruas parando as atividades de uma grande empresa. Estamos cansados de termos nossas reivindicações ignoradas pelos patrões da comunicação. Vamos para ações mais contundentes”, aponta a presidenta do Sindicato dos Jornalistas, Caroline Santos.

Os comunicadores sergipanos sempre estão abertos ao diálogo, no último dia 10 foi realizado um ato público que contou com grande participação das duas categorias. Após o ato houve uma reunião na TV Sergipe que contou com a participação dos dois sindicatos, do presidente do sindicato patronal, Messias Carvalho e também de Albano Franco e Augusto Franco Neto, mas não houve avanço. Os patrões não se dispõem a avançar na negociação das demais reivindicações dos trabalhadores e apesar dos grandes ganhos com publicidade continuam com a mesma postura retrógrada de apresentar somente o percentual inflacionário para repor as perdas.

“Os patrões não apresentam proposta para nossas pautas e ainda insistem no achatamento dos pisos das duas categorias ao apresentarem somente o índice inflacionário de reajuste. Não podemos aceitar isso. Os anos passam e não vemos, por parte dos patrões, um processo de valorização profissional do radialista ou do jornalista”, disse Fernando Cabral, presidente do Sindicato dos Radialistas.

O ato de sexta será apenas o primeiro, já que as categorias têm a perspectiva de realizarem atos em outras empresas.

O movimento conta com o apoio da CUT, CTB, FITERT, Sindicato dos Gráficos, SEPUMA – Sindicato dos Servidores Públicos do Município de Aracaju, Sindicato dos Bancários, Movimento Não Pago, MST, Dep. João Daniel, SINDISAN entre outras entidades de classe.



Leia também:














 

Nenhum comentário:

Postar um comentário