sexta-feira, 21 de junho de 2013

Condições de trabalho na citricultura é alvo de pesquisa em SE



Trabalhadores e produtores de laranja do município de Lagarto receberam nesta semana representantes do Ministério Público do Trabalho, da Fundacentro, da UFS, do Instituto Federal de Sergipe, do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Lagarto e da Fetase. Foram três dias de visitas às propriedades rurais com aplicação de questionários e um dia de atendimento clínico e odontológico. A ação faz parte da primeira etapa do Estudo das Condições em Ambientes de Trabalho na Citricultura no Estado de Sergipe. Um projeto idealizado em 2010 pelo MPT-SE.
 
O objetivo do projeto é avaliar as condições de trabalho na área da produção, utilização de produtos químicos, impacto do veneno agrícola na saúde dos trabalhadores, condiçà µes de transporte, dentre outros. Após a conclusão das pesquisas será enviado um relatório com propostas de minimização de acidentes e doenças, de criação de políticas e ações relacionadas à condições e ambientes de trabalho na citricultura.

De acordo com o idealizador do projeto e procurador do Trabalho, Manoel Adroaldo Bispo, com os resultados das pesquisas será possível traçar o perfil desses trabalhadores rurais e das condições socioeconômicas dos produtores; o grau de intoxicação dos trabalhadores pela manipulação do veneno agrícola; catalogar as causas e número de acidentes de trabalho; estabelecer metas, junto ao poder público e entidades parceiras, para preservar a saúde e a segurança dos envolvidos no processo de produção da laranja.

Na primeira ação deste projeto, iniciada no último sábado, 15, na região da Colônia 13 em Lagarto, 95 citricultores foram examinados por professores e estudantes da UFS, houve ainda a coleta de 755 amostras biológicas (sangue, saliva, urina e microbiológica bucal) e a realização 320 avaliações clínicas. Os exames laboratoriais serão custeados pela Secretaria Municipal de Saúde e pelo Cereste Lagarto que também participam da pesquisa. Com isso pretende-se avaliar indicadores de saúde e marcadores de risco à exposição aos agrotóxicos nos trabalhadores das lavouras da laranja, nas regiões de maior produção do estado de Sergipe. O relatório deve ser concluído em um ano.

A área total cultivada em citro no estado é de quase 55 mil hectares, sendo 45 mil em produção atualmente. Estima-se envolver no projeto cerca de 3.200 voluntários, que atuam no cultivo da laranja em oito munic ípios de Sergipe (Lagarto, Salgado, Boquim, Tomar do Gerú, Umbaúba, Itabaianinha, Arauá e Cristinápolis). Dos 33 produtores entrevistados até o momento, foi constatado 12 acidentes de trabalho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário