quarta-feira, 15 de maio de 2013

Senador Valadares discute reflexo da crise financeira mundial e defende o fortalecimento dos municípios

Valadares: "Brasil é campeãp na produção de soja e carne"
Em discurso no Plenário do Senado, o senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) falou ontem sobre o reflexo da crise financeira mundial na economia brasileira. Segundo ele, as políticas adotadas pelo governo têm atenuado os efeitos da crise. “Sabemos que o Brasil neste instante, com muita força e determinação, está procurando contornar e vencer as dificuldades criadas com a crise econômica que invadiu o mundo em 2008. A crise tem suas repercussões, reflexos e efeitos negativos, que estão sendo combatidos, com muita tenacidade, com muita coragem, pela Presidenta Dlma”, disse.

Valadares explicou que apesar das dificuldades, o Brasil é campeão na produção de soja e carne. “As políticas adotadas pelo Governo da Presidenta Dilma têm amenizado a situação nas indústrias, com renúncia fiscal, com medidas que são de caráter, emergencial para evitar o desemprego, que poderia ser avassalador em nosso País”, informou. Para ele, essas políticas de atenuação dos reflexos da crise econômica estão interferindo na crise financeira dos municípios. “Os municípios, que são a base da ação, do nosso crescimento, sofrem com obras de infraestruturas que são adiadas. Eles estão passando por um momento nunca, nesses últimos 50 anos, vivenciado por eles”, advertiu.

O senador lembrou que houve negociação das dívidas previdenciárias por um período de 240 meses para que os cofres municipais não sofram tanto com essa crise financeira. “Falta neste momento, por parte não só do Poder Executivo como também do Legislativo, uma proposta de fortalecimento, e não de enfraquecimento, dos municípios brasileiros e também dos estados”, acrescentou.

Para Valadares, o Fundo de Participação, que é a maior receita de mais de 90% dos municípios brasileiros, teria que sofrer alteração substancial. “Esse projeto, que está sendo discutido aqui no Senado Federal, do rateio do ICMS, que é um fator da divisão da nossa Federação, contribui para a desarmonia entre os estados e os municípios”, afirmou.

Segundo Valadares, a proposta só serve aos interesses dos grandes estados. “São Paulo, não depende do ICMS como os estados nordestinos dependem. Como dependem, também, do Fundo de Participação. O estado de São Paulo poderia até renunciar ao fundo que lhe é destinado pela Constituição e não lhe faria falta. A pressão que São Paulo faz sobre esta Casa para aprovar, a toque de caixa e a repique de sino, esse projeto de rateio do ICMS é inconcebível porque atinge profundamente as receitas dos estados, com reflexo também nos municípios”, constatou.

Por Ana Paula Dourado (Brasília-DF)




Leia mais:

 

Cobrança nos estacionamentos do shoppings: Deputada pede apoio da OAB

 

Justiça Eleitoral cancela 71 títulos de eleitor em Sergipe

 

Déda anuncia investimentos para saneamento e oferta de água

 

Prefeito empossa novos guardas municipais e anuncia concurso para mais 450

 

Sessão especial na CMA celebrará Dia Internacional de Combate à Homofobia

 

Moradores denunciam problemas no Fernando Collor

 

Chuvas em Sergipe vão continuar até agosto

 

Ana defende greves e paralisações do estado

 

Laranjeiras: Prefeito e vereadores cobram do Banese melhorias para a agência de laranjeiras

 

Professores de São Cristóvão ocupam Secretaria Municipal de Educação

 

Senador Valadares discute reflexo da crise financeira mundial e defende o fortalecimento dos municípios

 

PGE viabiliza a implantação do Programa Estadual de Educação Prisional

 

Para levar nova frequência de 4G, empresas terão que fazer investimentos em banda larga

 

Transposição do São Francisco: Ministério conclui licitações

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário