segunda-feira, 15 de abril de 2013

OAB diz que redução da maioridade penal não resolve violência


O assassinato, na semana passada, do estudante Victor Hugo Deppman, de 19 anos, com um tiro disparado por um adolescente de 17 anos, em São Paulo, trouxe de volta ao debate a redução da maioridade penal, tema controverso sobre o qual a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) sempre se posicionou contrariamente. Segundo o presidente nacional da entidade, Marcus Vinicius Furtado, a criminalidade envolvendo crianças e adolescentes requer atenção especial das autoridades e de toda a sociedade, mas não se deve deixar que a comoção leve a caminhos que não irão resolver o problema, mas apenas agravá-lo.


“Seria um retrocesso para o país, além de transformar o menino num delinquente sujeito à crueldade das prisões”, afirmou. “É a negação de tudo que podemos imaginar para o futuro”. Para Marcus Vinicius, a criminalidade e a violência entre os jovens precisam ser enfrentados a partir de um trabalho social muito forte. “Um pouco de dignidade já resolveria muita coisa”, disse, lembrando a falta de perspectiva que leva muitos adolescentes a buscar o caminho das drogas e da criminalidade.

Segundo dados divulgados na imprensa, somente em São Paulo o número de crianças e adolescentes internados por crimes e contravenções cresceu 67% nos últimos dez anos, registrando 40 casos por dia que chegam às Varas da Infância e Juventude.

Quem não cumpre suas funções sociais não pode remeter a culpa pela falta de segurança ao sistema de maioridade penal, conforme observou Marcus Vinicius. “Aumentar o número de encarcerados, ampliando a lotação dos presídios, em nada irá diminuir a violência. A proposta não resiste a uma análise aprofundada, sendo superficial, imediatista, descumpridora dos direitos humanos e incapaz de enfrentar a questão da falta de segurança”.
Na semana passada, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), havia proposto modificar o Estatuto da Criança e do Adolescente para permitir punições mais rigorosas a menores infratores.


Clique para ler também:

 

MPT-SE COMBATE TRABALHO INFANTIL NO INTERIOR DO ESTADO

 

Defensoria Pública obtém mais uma vitória no TJ na ACP dos estacionamentos

 

Câmara gasta R$ 4 mil em roupa de cama e banho para residência oficial

 

Relatório final do novo CPC será apresentado na quarta

 

LDO prevê salário mínimo de R$ 719 no próximo ano

 

Mantida decisão que proíbe a realização de shows na Orla de Atalaia

 

OAB diz que redução da maioridade penal não resolve violência

 

Saúde orienta a população sobre cuidados com a gripe

 

Mendonça Prado pede reforma tributária no Brasil

 

Fusão entre PMN e PPS vai abrir “janelas” para a migração de políticos com mandato

Nenhum comentário:

Postar um comentário