segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Chuvas ainda devem continuar a ocorrer nas regiões noroeste e oeste do Sergipe

Conforme previsto pelo Centro de Meteorologia da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh) choveu em algumas regiões do Estado durante o último final de semana, com maior índice de precipitação no Alto Sertão Sergipano.  Exemplo disso foi o volume de precipitação dos municípios de Nossa Senhora da Glória, com 74,5 milímetros, e de 69,2 em Poço Redondo. De acordo com análise de satélite, até as próximas 24 horas do dia, até dia 22, existe a possibilidade de chuvas para a região Oeste e Noroeste do Estado.



De acordo com Overland Amaral, meteorologista da Semarh, as condições atmosféricas indicam chuvas a qualquer hora do dia a partir de hoje, dia 21, para municípios enquadrados nas regiões Noroeste e Oeste, a exemplo de Pinhão, Simão Dias, Pedra Mole, e Siriri. “A perspectiva é que chova de três a cinco mm até amanhã nessas regiões”, revela índice.

Explica ainda o meteorologista que embora o volume de precipitação esperado seja baixo, (entre 3 a 5 mmm) não é descartada a possibilidade de ocorrer maiores volumes de precipitações nessas regiões. Segundo ele, essa condição é justificada por ocorrência do escoamento de umidade da região Amazônica, somado ao canal da Zona de Convergência do Atlântico.

“Essa situação favoreceu a ocorrência de maior convecção (chuvas) no Sertão nesse último final de semana. Entretanto, isso não inviabiliza a condição de chuvas virem mais volumosas nessas regiões, por elas estarem mais próximas ao escoamento da Amazônia”, adverte Overland, destacando que, sendo convectivas, existe a possibilidade de as chuvas virem com trovoadas, rajadas de vento, descargas elétricas e granizo”.

Andamento das chuvas

Segundo revelou Overland, apesar das chuvas ocorridas, elas não são suficientes para acabar com a seca do NE, considerada a pior dos últimos 30 anos diante da maior estiagem do Brasil.

“As chuvas que caíram esses dias foram importantes para o Sertão (Oeste e Noroeste de Sergipe). Entretanto, não foram suficientes para a regularização do déficit hídrico no Estado, a qual marca déficit de 1300 mm, acumulados. O que tem chovido não corresponde a 10% do necessário para a normalização hídrica do Estado. É necessário que as chuvas continuem a cair”, frisa o meteorologista da Semarh.

Para analisar a climatologia do Nordeste do país, a exemplo de monitoramento e previsão climática, entre outras importantes pautas, a exemplo de diálogos com comitê integrado de combate à seca, o meteorologista da Semarh, Overland Amaral, irá participar amanhã, período de 22 a 25 deste mês, na cidade de Fortaleza, Ceará, do XV Workshop Internacional de Avaliação Climática para o Semiárido Nordestino.

Para Overland, o evento será uma oportunidade de os meteorologistas estarem analisando as condições climáticas do Nordeste, e especialmente, pela a Elaboração do Prognóstico Climático de Previsão do Tempo e Clima para o período de Fevereiro a Maio deste ano.

“Vai continuar ou não às chuvas? Os estudos climatológicos irão nortear essas respostas. Veremos a possibilidade das chuvas para o Estado de Sergipe a partir dessas avaliações científicas e descritas por meio da elaboração do prognóstico”, afirma Overland.

Nenhum comentário:

Postar um comentário