segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Mudanças na direção da Fundação Hospitalar de Saúde

A partir de hoje, o economista Marcelo Vieira assume a direção geral da Fundação Hospitalar de Saúde. Durante os últimos seis meses, ele esteve à frente da diretoria administrativa financeira da Secretaria de Estado da Saúde, onde coordenou juntamente com o secretário Silvio Santos, o processo de negociação que culminou com a aprovação do Plano de Emprego e Remuneração dos celetistas das fundações de saúde.

"As mudanças na gestão da Fundação têm um perfil de continuidade de um processo de reestruturação da FHS. A idéia central é pensar o sistema de uma forma que ele possa rodar com as condições reais de financiamento que o estado vive hoje. Não temos perspectiva de dinheiro novo e trabalhamos em função da crise econômica, da queda do FPE e do repasse do estado para a Saúde. Temos a perspectiva de permanecer com os mesmos recursos que trabalhamos em 2012, então o nosso desafio é reestruturar o sistema de forma que as nossas ações caibam dentro dessas restrições de financiamento", afirma Marcelo Veira, diretor geral da Fundação Hospitalar de Saúde.


Na diretoria operacional, assume o médico Wagner Andrade, gestor do Hospital Cirurgia durante 4 anos, quando desempenhou as funções de diretor técnico e clínico. "Vamos trabalhar para operacionalizar a rede hospitalar do Estado, de forma a destravar os gargalos em todos os níveis para garantir a assistência ao usuário na unidade mais próxima, evitando, assim, a centralização dos casos no Huse", explica Wagner Andrade, diretor operacional da Fundação Hospitalar de Saúde.

Na diretoria administrativa financeira, permanece Mário Ferreira, que vem no comando das renegociações junto aos fornecedores de medicamentos e insumos. "A gestão tem feito um trabalho importante de estruturação dos processos de compra. Hoje nós estamos com processos de compra organizados. Estamos recuperando a credibilidade junto aos fornecedores para garantir a assistência à população que necessita desses medicamentos", aponta Mário Ferreira, diretor administrativo financeiro da FHS.

LEIA TAMBÉM:

“Espero que João cumpra suas promessas de campanha”, diz Edvaldo

Sem exame da Ordem, Sergipe teria 25 mil advogados, diz presidente da OAB

Carlos augusto destaca que nunca houve eleição com chapa única na OAB











Fim da superlotação de presídios custaria R$ 4,2 bilhões

Nenhum comentário:

Postar um comentário