terça-feira, 4 de dezembro de 2012

João Alves recebeu R$ 3,7 milhões em doações ocultas

Não se sabe quem doou 90% dos recursos que foram repassados para a sua campanha

Por Max Augusto 

Levantamento realizado pelo site Congresso em Foco apontou que o prefeito eleito de Aracaju, João Alves Filho (DEM) recebeu durante a campanha eleitoral pouco mais de R$ 3,7 milhões em “doações ocultas” – o termo é utilizado para se referir às doações geralmente intermediadas pelos Comitês Financeiros ou Diretórios Nacionais dos partidos, que recebem os recursos e repassam o dinheiro para o Diretório Municipal, não sendo possível saber quem realizou a doação.


Ainda de acordo com o Congresso em Foco, 93% de todo o dinheiro contabilizado na campanha de João Alves foi arrecadado desta forma. O Comitê Financeiro do candidato declarou que sua campanha custou, ao todo, exatos R$ 4.038.400,10 sendo que R$ 3.737.280,50 foram de doações ocultas.

O estudo revelou que entre os 26 prefeitos eleitos nas capitais brasileiras, oito arrecadaram mais de 90% dos recursos desta forma. Cinco deles foram eleitos no segundo turno: Firmino Filho (PSDB), de Teresina; Zenaldo Coutinho (PSDB), de Belém; Mauro Nazif (PSB), de Porto Velho; Alcides Bernal (PP), de Campo Grande e Fernando Haddad (PT), de São Paulo.

Além de João, outros três prefeitos eleitos no primeiro turno também ultrapassaram o percentual de 90% dos gastos de campanha arrecadados desta forma. As doações ocultas recebidas pelos alcaides eleitos nas 26 capitais somam R$ 158 milhões, num total de R$ 215 arrecadados. Deste valor, é possível identificar a origem de apenas R$ 53,6 milhões. “De cada R$ 100 doados aos 26 prefeitos eleitos nas capitais, R$ 75 tiveram origem oculta”, diz a reportagem do jornalista Edson Sardinha, publicada no último domingo.

A reportagem ressaltou que apesar de diretórios partidários e comitês financeiros serem obrigados a informar de quem receberam, fica difícil rastrear quem doou e para que diretório municipal a grana foi enviada. Por isso o site considerou que esse mecanismo é utilizado por empresas que não querem se identificar ou ter seus nomes associados a políticos

Aracaju
Apesar de ter sido o candidato a prefeito em Sergipe que mais recebeu recursos contabilizados por este tortuoso caminho, João Alves não foi o único. Em Aracaju, Valadares Filho (PSB) declarou ter recebido R$ 200 mil para a sua campanha, dos quais R$ 83 mil foram enviados pelo fundo. Já Reynaldo Nunes (PV), teve todos os seus gastos do período eleitoral pagos com os R$ 100 mil que recebeu do diretório nacional. Almeida Lima (PPS) e Vera Lúcia (PSTU) receberam doações de apenas R$ 14 mil reais, nenhuma delas podendo ser classificada como “oculta”.

LEIA TAMBÉM:

Governo publica medida provisória que destina royalties do petróleo para educação


Estacionamento dos shoppings: Procon alerta para exigência da nota


Justiça proíbe o Shopping Jardins de cobrar estacionamento aos comerciários


Justiça determina suspensão de pensões vitalícias às viúvas de ex-vereadores de São Domingos


ARTIGO: PRÊMIO SETRANSP NÃO É BOM PARA O JORNALISMO SERGIPANO


Governo de Sergipe encaminha Projeto de Lei para extensão de incentivos


Valadares Filho propõe que concursos públicos federais tenham provas realizadas em todas as capitais


Mudanças na direção da Fundação Hospitalar de Saúde

 
“Espero que João cumpra suas promessas de campanha”, diz Edvaldo

Sem exame da Ordem, Sergipe teria 25 mil advogados, diz presidente da OAB

Carlos augusto destaca que nunca houve eleição com chapa única na OAB










Fim da superlotação de presídios custaria R$ 4,2 bilhões


Nenhum comentário:

Postar um comentário