sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Sergipe sediará VI Encontro Nacional do Judiciário

Sergipe sediará nos dias 05 e 06 de novembro o VI Encontro Nacional do Judiciário. O evento tem como objetivo debater o planejamento e a gestão do Poder Judiciário nacional, revisar e propor novas metas estabelecidas nos Encontros anteriores, além de definir ações prioritárias e oportunizar trocas de experiências entre os dirigentes máximos da Justiça Brasileira.




De acordo com o Secretário-Geral do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e magistrado do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE), Francisco Alves Jr., a Resolução 70 do CNJ determina que haja rodízio entre as unidades federadas para sediar o evento, que nunca foi realizado na Região Nordeste. “A candidatura do TJSE foi referendada pelo plenário do CNJ. Segundo o Conselheiro José Guilherme Vasi Werner, membro da Comissão de Gestão Estratégica, Estatística e Orçamento do CNJ, a realização do encontro em Aracaju ‘é uma forma de homenagear’ o Tribunal de Justiça de Sergipe, que vem cumprindo as metas com eficiência, alcançando destaque no cenário nacional. E é claro que esse fato foi bem recebido pelo Ministro Ayres Britto, que é sergipano e presidente do Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça”.


O público-alvo do Encontro são os presidentes, vice-presidentes e corregedores de todos os tribunais do país, além de conselheiros e juízes auxiliares do CNJ. “Espera-se a participação de cerca de 300 membros dos tribunais”, esclareceu o magistrado.


Francisco Alves Jr. destacou também que a realização do evento é um grande desafio. “Contamos com a disposição das equipes do TJSE e do CNJ para que tudo corresponda a essa boa imagem do Judiciário sergipano. Convém destacar, ainda, a parceria entre o TJSE, o TRE/SE, o TRT da 20ª Região e a seção judiciária da Justiça Federal em Sergipe. Vale dizer, todos os segmentos de justiça sediados no Estado deram-se as mãos para que o VI Encontro Nacional do Poder Judiciário tenha pleno êxito”.


Novidades para o VI Encontro

A Comunicação do Poder Judiciário e combate à corrupção devem ser os assuntos mais debatidos no Encontro. “Esses pontos foram objeto de reunião preparatória ocorrida em Brasília no último dia 17, com representantes dos tribunais, a partir de diagnóstico feito pelo Departamento de Gestão Estratégica da Secretaria-Geral do CNJ e também dos resultados do Seminário Nacional de Probidade Administrativa, realizado pelo CNJ no primeiro semestre deste ano, por ocasião dos 20 anos da Lei de Improbidade”.


“Haverá dois painéis que buscam a reflexão sobre o planejamento e a gestão do Poder Judiciário a partir de um olhar mais abrangente. Estão confirmados os nomes do empresário Jorge Gerdau, do secretário de Ações Estratégicas da Presidência da República, Ricardo Paes de Barros; do jurista Gustavo Binenbojm, professor da UERJ; e da jornalista Eliane Cantanhede, da Folha de São Paulo”, informou o magistrado.


Outra novidade será a realização de reuniões setoriais de cada ramo de justiça (estadual, federal, trabalhista, eleitoral e militar), além da já tradicional reunião dos corregedores. Os conselheiros do CNJ participarão da coordenação dessas reuniões. O objetivo é qualificar o debate sobre questões específicas de cada segmento da Justiça.


Gerdau falará sobre gestão aos presidentes de Tribunais

Atual presidente do Conselho de Administração do Grupo Gerdau e coordenador da Câmara de Gestão e Planejamento do Governo Federal, o empresário Jorge Gerdau participará do 6º Encontro Nacional do Poder Judiciário. Ele será um dos painelistas do evento que apresentará uma visão externa sobre os problemas e desafios da Justiça brasileira para os 91 presidentes de tribunais, uma inovação da sexta edição do encontro.


O empresário participará do painel “Gestão do Poder Judiciário: o olhar do administrador”, que será realizado às 10h30 do dia 6 de novembro. Jorge Gerdau tornou-se o diretor-presidente do Grupo Gerdau, em 1983, justamente no momento em que a empresa se tornou um dos grandes conglomerados siderúrgicos do mundo, cargo que ocupou até 2006.


Atualmente, além de presidir o Conselho de Administração do Grupo, é coordenador da Câmara de Gestão e Planejamento do Governo Federal. Em 2009, foi considerado pela revista Época um dos 100 brasileiros mais influentes do ano.


“Sabemos dos nossos problemas, mas é preciso que tenhamos uma reflexão crítica de quem está olhando de fora o Poder Judiciário”, afirmou o secretário-geral do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Francisco Alves Júnior, referindo-se à participação dos palestrantes que trarão uma visão externa sobre as prioridades do Judiciário em termos de gestão.


Realizado anualmente sob a coordenação do Conselho, os encontros nacionais do Judiciário têm o objetivo de avaliar a Estratégia Nacional estabelecida para a Justiça e divulgar o desempenho dos tribunais no cumprimento das ações, dos projetos e das metas nacionais. Além disso, no evento, os presidentes das 91 Cortes brasileiras definem novas metas e ações prioritárias a serem perseguidas pelo Judiciário nos anos seguintes. As inscrições para participar do evento, dirigido a presidentes, vice-presidentes e corregedores de tribunais, podem ser feitas pelo portal do CNJ até o dia 29 de outubro.


Meta de combate à corrupção será um marco no Judiciário

Os presidentes dos 91 tribunais brasileiros vão fixar, durante o 6º Encontro Nacional, meta de combate à corrupção e à improbidade administrativa para ser cumprida por todo o Judiciário do país nos próximos anos. Para o Conselheiro do CNJ Gilberto Martins, a definição dessa meta será um marco para a Justiça brasileira. “Se o Judiciário começar a julgar ações de improbidade e corrupção de forma mais eficiente, mais célere, a sociedade passará a confiar mais nas instituições políticas e na própria Justiça, que está dando uma resposta aos anseios da população”, destacou.


O conselheiro coordenou o Seminário Nacional de Probidade Administrativa realizado no início de junho pelo CNJ e que resultou na proposição do estabelecimento de uma meta nacional para enfrentar o problema. Segundo Martins, pesquisa realizada com os tribunais demonstrou que essas ações não têm sido tratadas de forma eficiente pelo Judiciário.


Segundo o estudo, em 2011 houve 256 julgamentos definitivos com base na Lei 8.429 (Lei de Improbidade), 251 deles pela Justiça dos Estados. Ao final do ano, havia 4.250 processos de improbidade tramitando na Justiça Federal e 14.011 nos tribunais estaduais. “Temos que fazer alguma coisa para mudar esse panorama, que é desastroso para o Judiciário”, salienta Martins.

Com base nas conclusões obtidas no Seminário, os tribunais brasileiros encaminharam ao CNJ 62 propostas de metas a serem estabelecidas no intuito de acelerar o julgamento de crimes de improbidade e corrupção no país. Dessas, os gestores e diretores de planejamento estratégico dos tribunais selecionaram 11, durante a reunião preparatória para o encontro nacional, realizada na última semana, em Brasília.


Entre as medidas selecionadas está a de garantir que os Tribunais Superiores julguem todos os processos distribuídos, em grau de recurso, até 31 de dezembro de 2011. Outra proposta é a criação de um “índice de percepções de corrupção” e a publicação de relatórios anuais que demonstrem por estado e segmento da Justiça, o grau em que a corrupção é percebida pela sociedade. O dado possibilitaria a fixação de metas futuras para os tribunais visando reduzir esse grau de percepção da corrupção em relação ao Judiciário.

Além dessas medidas, os gestores sugeriram a capacitação de servidores em técnicas de diagnóstico e combate à corrupção e à improbidade, além do estabelecimento de medidas capazes de aprimorar a alimentação do Cadastro Nacional de Condenações Cíveis por Ato de Improbidade, coordenado pelo CNJ. Todas essas propostas servirão de base para que os presidentes das Cortes definam o objetivo que deverá ser perseguido por todo o Judiciário nos próximos anos. “O tratamento mais eficiente dessas ações pelo Estado e pelo Poder Judiciário pode garantir a retirada do cenário político dos agentes autores de crimes contra a administração pública”, conclui Gilberto Martins.



Programação - VI Encontro Nacional do Poder Judiciário
Dias: 5 e 6 de novembro de 2012
Local: Auditório do TJSE (5/11) e Hotéis Radisson e Mercure (6/11) - Aracaju/SE
Público-Alvo: Presidente, Vice-Presidentes e Corregedores-Gerais dos Tribunais
Objetivo: Avaliação das Metas Nacionais e Discussão de temas prioritários do Poder Judiciário.

05 de novembro de 2012 – Auditório do TJSE


18h - Credenciamento
19h - Solenidade de abertura
20h15 - Foto oficial
20h30 Coquetel de boas-vindas

06 de novembro de 2012 – Hotel Radisson e Hotel Mercure


9h - Abertura dos trabalhos
•Ministro Ayres Britto, Presidente do STF e do CNJ


10h30 - Painel: "Gestão do Poder Judiciário: o olhar do administrador"
•Jorge Gerdau, Empresário
•Ricardo Paes de Barros, Secretário de Ações Estratégicas da Presidência da República


11h40 - Painel: "Gestão do Poder Judiciário: o olhar da sociedade"
•Eliane Cantanhêde, Jornalista
•Gustavo Binenbojm, Advogado e Professor da UERJ


12h30 às 14h - Intervalo para almoço

14h às 14h30 - Traslado (interno)

15h - Reuniões setoriais

•Grupo I – Corregedores. Coordenação: Corregedor Nacional de Justiça

•Grupo II – Justiça Federal. Coordenação: Conselheiros, Presidentes do STJ, do TRF5ª e Diretor do Foro da Seção Judiciária local

•Grupo III – Justiça do Trabalho – Coordenação: Conselheiros, Presidentes do TST e do TRT da 20ª Região

•Grupo IV – Justiça Eleitoral – Coordenação: Conselheiros, Presidente do TRE-SE

•Grupo V – Justiça Militar – Coordenação: Conselheiros e Presidente do STM

•Grupo VI – Justiça Estadual – Coordenação: Conselheiros e Presidente do TJSE

16h30 - Coffee break


17h - Plenária final
Apresentação das conclusões dos grupos setoriais



Com informações da Agência CNJ de Notícias


LEIA MAIS:


Sergipe sediará VI Encontro Nacional do Judiciário


Sabatina de Belivaldo na Assembleia será na segunda-feira


Vereadores aprovam mais 12 emendas à revisão do Plano Diretor


Apagão prejudica abastecimento de água em Sergipe


Durante entrevista, Marcelo Déda convoca lideranças políticas para aprovação do Proinveste



ARTIGO: SENHOR DA VIDA


Nenhum comentário:

Postar um comentário