terça-feira, 3 de julho de 2012

Partidos aliados vão se enfrentar em São Cristóvão


Amorim não vai estar com o DEM e PSB de Valadares não vai estar com base governista

Por MAX AUGUSTO

A eleição no município de São Cristóvão promete ser um verdadeiro mata-mata: o atual prefeito, Alex Rocha (PDT) desistiu de disputar a reeleição e praticamente todas as grandes lideranças políticas do Estado terão candidatos. O grupo liderado pelos Amorim apresentou um nome, que não vai estar ao lado do DEM (que terá outro nome), e o PSB do senador Valadares lança outra opção, que enfrentará também um bloco de alianças formado pelo PT e PMDB. Tudo na mais perfeita demonstração de permissividade ideológica, que os políticos preferem chamar de “respeito a realidade local”.

Tido por muitos como favorito na disputa e aparecendo bem em diversas pesquisas, o ex-prefeito (de 1997 a 2004) e deputado estadual Armando Batalha (PSB) deverá ser candidato, ao lado do suplente de vereador e funcionário público Jorjão (PSB). A coligação “Para São Cristóvão voltar a crescer” é apoiada pelo senador Valadares e pelo deputado federal Heleno Silva (PRB) e contará com oito partidos: PSB, PRB, PV, PSDC, PMN, PTN, PTC e PHS. 

Sobre a situação financeira do município, Armando avalia: “São Cristóvão tem jeito, o município é viável, falta competência para administrar. Passei oito anos administrando com menos recursos e nunca deixei de ter as certidões, nunca perdi convênios com os governos Federal e Estadual, dei prova disso nos meus oito anos, onde deixei um legado de obras”, disse Armando.

Armando disse ainda que depois da sua gestão o município passou por um período de instabilidade, onde cinco prefeitos se sucederam em oito anos, numa grande turbulência política. “Comigo o  mandato teve início meio e fim. Fizemos festival de arte, cidade seresta, pavimentei vários bairros, e hoje a cidade está completamente abandonada, com deficiência em serviços básicos, que antes funcionavam”, falou o pré-candidato.     

União
Outra candidatura que promete disputar palmo a palmo a Prefeitura da cidade histórica será encabeçada por Wanderlê Correia (PMDB), ex-deputado estadual e irmão do ex-prefeito Zezinho da everest. Tendo como vice Betão (PSD), a coligação “União pela reconstrução” terá oito partidos: PMDB, PSD, PT, PCdoB, PTdoB, PSL, PR, PPL. Outro ponto forte é que dos oito vereadores que disputarão a reeleição (a cidade tem dez cadeiras na Câmara Municipal), seis estão com o grupo.

“Foi uma coligação que agregou muita gente e muitas forças políticas. Estamos definindo os detalhes finais da campanha, que será pautada em um plano de governo viável, que prima pela reconstrução. São Cristóvão ainda é um município viável, mas o prefeito deve ter um bom relacionamento com o governo federal e estadual, já que temos uma dependência muito grande destes recursos e apenas 19% da receita vem de recursos próprios”, falou Wanderlê.

Prefeito
Uma das maiores peculiaridades desta eleição foi a desistência do prefeito Alex Rocha (PDT). Ele tem dito que tem sido muito difícil administrar o município e que haveria uma dificuldade grande na liberação de recursos federais e estaduais – inclusive por conta de questões políticas.

Alex decidiu apoiar seu amigo Betinho, que há três anos preside o PRP, que ele avalia como um partido independente. Ex-vereador por duas vezes, chegou a ser presidente da Câmara e vice-prefeito de Lauro Rocha, pai de Alex. Sua coligação terá PRP, PDT, PRTB, PTC e PTB e contará com o apoio dos irmãos Amorim. “Nosso nome foi escolhido em função do relacionamento antigo com Alex. Teremos 32 candidatos, com perspectiva de eleger até cinco vereadores na coligação do PRP e PDT”, explicou.

Mais nomes
Quem também vai encarar a batalha eleitoral em São Cristóvão é o candidato do PPS, Bispo do Gesso. O partido irá para a disputa sozinho, sem coligações, e lançará 23 candidatos a vereador (o número máximo permitido pela legislação eleitoral). De acordo com Nilson Lima, presidente estadual da sigla, Bispo é um pequeno empresário com liderança comunitária na região do Rosa Elze e atuação religiosa.

“Como há uma pulverização grande, com várias candidaturas, o trabalho no dia-a-dia da campanha vai definir o prefeito eleito. Hoje não temos nomes despontando muito à frente dos outros. O trabalho da militância e o projeto apresentado pelo grupo pode apontar o vencedor”, avaliou Nilson.

E por fim, a dobradinha DEM/PSDB vai se repetir no município vizinho a capital, tendo Carlos Vilão (DEM) como candidato principal e o Cabo Fábio (PSDB) vice. A dupla espera ser alavancada por uma boa performance do ex-governador João Alves Filho (DEM) na capital, e avalia que tem chances.

VEJA QUEM SÃO OS CANDIDATOS A PREFEITO EM SÃO CRISTÓVÃO

Armando Batalha (PSB)
Vice: Jorge
Coligação “Para São Cristóvão voltar a crescer” (PSB, PRB, PV, PSDC, PMN, PTN, PTC, PHS)
Wanderlê Correia (PMDB)
Vice: José Alberto Batista - Betão (PSD)
Coligação: “União para a reconstrução” (PMDB / PSD / PT / PC do B / PT do B / PSL / PR / PPL)
Betinho (PRB)
Vice: Jorge Lisboa (PDT)
Coligação: PRP, PDT, PRTB, PTC e PTB
Carlos Vilão (DEM)
Vice: Cabo Fábio (PSDB)
Bispo do Gesso (PPS)

Nenhum comentário:

Postar um comentário